Categories
Uncategorized

Com a minha Madura e desta vez o Corno esperou

Com a minha Madura e desta vez o Corno esperou
Depois da aventura no ginásio, nunca mais nos largámos. Ela está de tal modo agarradinha que na semana passada liguei-lhe e ela estava com o corno do marido dela e eu convidei-os para passarem no meu escritório, ela aceitou logo. Eu ainda tinha uns clientes, mas consegui que eles esperassem entre clientes, foi espetacular. Quer dizer entre cada cliente ela entrava na minha sala e estava lá um bocadinho comigo. Como já era fora de horas e eu já não tinha a minha secretária, a minha madurinha tratava de me ajudar, ou seja eu ainda tinha uns três clientes para atender, mas como ela estava lá ia entrando entre eles, depois do primeiro ela entrou fechou a porta á chave e eu recuei a minha cadeira e mandei ela ajoelhar, ela ajoelhou-se a minha frente abriu o fecho das minhas calças e começou logo a mamar cheia de vontade, eu tive que a puxar pelos cabelos senão ficava logo por ali. Ainda com a minha mão na sua cabeça dei-lhe um beijo bem molhado e enfiei a minha mão por dentro das calças dela e senti aquela cona bem encharcada. De modo que lhe enfiei os meus dedos na boca e ela sentiu o seu sabor. Saiu e entrou uma outra cliente, não demorei nem 10 minutos, a cliente saiu, e ela voltou a entrar. Fecha a porta a chave e manda-me uma coisa, as suas cuequinhas, completamente encharcadas. Eu digo-lhe: Estás cá uma puta!! Ao que ela responde: Sim, a tua puta!!! Anda cá meu cabrão e fode-me toda-diz ela começando a despir as calças. Eu digo-lhe: Pára, que ainda tenho mais um cliente. Ela diz: Ele está lá fora na conversa com o P.- que é o corno do marido dela. Nisto vou ter com ela e dou-lhe um palmadão no rabo, que de certeza se fez ouvir lá fora. Ela solta um gemido e diz: Fode-me toda já. Eu não fui de modas e espetei o meu caralho naquela cona, estava mesmo encharcada a puta. Dei-lhe meia duzia de bombadas e fui-me sentar na minha cadeira, ela veio e sentou-se em mim até ao fundo. Começou a saltitar que nem uma doida e eu apertava-lhe aquele rabão, nisto ela já a ficar cansada e eu meto-a de quatro no chão, abro-lhe aquele cú e começo a enfiar-lhe um dedo, vou enfiando e rodando aproveitando o liquido que lhe escorre da cona e ela só gemia. Nisto agarro-a pelos cabelos e digo-lhe: Hoje não sais daqui sem ser enrrabada, quero encher esse cú de leite!!! Ela só disse: Isso, faz isso arrebenta com o meu cú. Ao que eu lhe disse: Então vai lá fora chamar o meu cliente, que já trato de ti! Ela vestiu as calças e foi. Terminei a reunião, e quando fui lá fora com o cliente, já não estava ninguém na sala. Despedi-me do cliente, ele foi embora e fechei a porta, nisto oiço barulhos vindos da casa de banho, fui pé ante pé e percebi que ela estava lá com o marido, pelos barulhos. Vou para a minha sala e fiquei a cheirar as cuequinhas dela e a pensar na puta que tinha encontrado, nisto elas saem da casa de banho e ficam na sala de espera eu vou lá fora e chamo-a: Dona F. pode entrar, Sr. P. aguarde um pouco!!! Assim foi, ela entra e eu perguntei: Então que estavam a fazer na casa de banho? Ao que ela responde: O P. percebeu o que estavamos a fazer, então tive de o compensar, deixei-o lamber a minha rata. Eu disse-lhe: És mesmo puta, então vou chamá-lo e vou-te comer á frente dele, achas que ele aceita? Ela responde: Ele só de pensar nisso vem-se logo nas cuecas. E digo-lhe então fazemos assim, vais para debaixo da minha secretária que eu vou chamá-lo, depois logo se vê. Ela meteu-se lá debaixo e eu fui chamá-lo. Quando viemos, sentámo-nos ele percebeu logo que se estava a passar algo, pois não via a esposa, nisto eu abri o fecho das calças e ela percebeu logo o que tinha de fazer, nós começámos a conversar eu e o P. e ela a mamar-me, eu estava que não podia, nisto o P. diz assim: É pena eu já não ter muita tesão, ela faz uns Broches espetaculares não é?? E eu só me consegui rir, nisto ela pára e sai de baixo da secretária e vai beijá-lo, com grandes linguadões. Eu acabo de despir as calças e vou para ao pé deles e começo a despi-la, e digo-lhe: Olha lá ó P. eu quero enrrabar a tua mulher, por isso chupa-lhe bem esse cú!!! E eles assim fazem, eu sento-me na cadeira, ela vem-me mamar e ele fica por de trás dela a lambe-la toda, passado pouco tempo já eu tava a foder-lhe a boca, paramos e digo para ela se sentar no meu caralho, ela vira-se e aponta o meu pau ao seu olhinho. Quando começa a entrar a cabeça, ela só gemia, foi sentando, sentando até ficar completamente sentada e comigo sempre a abrir-lhe as nadegas para entrar todo. Nisto fica um bocadinho parada, mas depois começa a rebolar e num vai e vem, eu ainda lhe dei umas palmadas, mas depois agarrei-a pelos ombros e cada vez que ela vinha acima eu com força puxava-a para baixo, ela só gemia, o corno batia uma mas com o caralho murcho, eu estava quase a rebentar e disse-lhe:É agora minha Puta vou-te encher esse cú de leite!! Ao que ela disse: Vem-te, vem-te enche-me da tua esporra. E eu fiz-lhe a vontade, enchi aquele cuzão de leite. No fim ela veio limpar o meu caralho e o corno foi-lhe lamber o cú e beber os restos do meu leite.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *