Categories
Uncategorized

TRANSANDO NO ÔNIBUS

TRANSANDO NO ÔNIBUS
SHEYLA – TRANSANDO NO ÔNIBUS

Aproveitei uma folga para visitar uma grande amiga. Preferi ir de ônibus, embora fosse uma viagem longa.
Comecei bem, pois o ônibus estava vazio, sobravam algumas poltronas no fundo.  Ocupei duas. Oba eu iria dormir a viagem toda!!!    Hê! Hê! Hê!
Na poltrona oposta havia um rapaz acompanhado por um idoso… Assim que me sentei o senhor abriu um sorrisão largo e esticou umas, quase, duas horas de conversa. Minha intenção era dormir o máximo que eu pudesse, e não sentir a demorosa viagem. Mas o senhor sabia como conduzir uma prosa agradável… Foi um papo interessante; inteligente; educado… e que suscitou em boas gargalhadas.
Em uma das paradas lanchamos juntos… mais um pouco de conversa. Finalmente, com o balançar do ônibus fui tomada pelo sono… Me ajeitei na poltrona e adormeci rapidamente.
Depois de não sei quanto tempo… ainda meio sonolenta… sinto alguém acariciando minha mão…. Assustada, fingi estar dormindo; abri um dos olhos para entender o que se passava… Era o rapaz, assim que percebeu que despertei, apertou minha mão, um pouco mais de forte, e entrelaçou seus dedos com os meus.  Soltou um sorriso folgado e colocou o dedo sobre os lábios sussurrando, “Psiiiiu! Psiiiiu!”
Ainda com os olhos fechados, dei um sorriso com lábios esticados; balancei a cabeça e retribuí a caricia… Ele puxou-me pelo pescoço e roubou um beijo. Foi um roubo consentido: o que fez aquele beijo, ser tão mais demorado do que previu-se; molhado; quente… Eu passava a língua, bem molhada, pela sua orelha, pescoço, mordicava o queixo; ele fazia o mesmo… A língua voltava para dentro da boca… ele sugava… sorvia meus lábios… Não aguentei gemi durante o beijo… Ele deu um sorriso manco, colocou uma das mãos tapando minha boca e com a outra acariciou o corpo todo. “Psiiiiu! Psiiiiu! Silêêênnncio!!! Aquele beijo me acordou, fez subir um calor, minha calcinha ficou toda meladinha… Uma LERDICE aquilo!!!
Pegou um cobertor e jogou sobre nós… tirou minha calça e começou a me masturbar com uma deliciosa siririca… Eu fiz o mesmo, agarrei o pau e iniciei uma punheta. Ele segurou meus cabelos e levou minha boca até seu pau. Empurrou-me contra sua pica, mas sem força, até que estivesse com ele TO-DI-NHO dentro da minha boca… A cada mamada que eu dava, sentia ele pulsando na minha boca e língua… CHUPEEEEEIIIIII MUUUUIIIITOOOOO!!!
A coisa estava ficando cada mais séria. Minha xana babava, escorria pelas pernas; seu pau também melado, latejava de tão duro…
 Ele tentou ajoelhar-se, para me chupar… as poltronas eram muito apertadas… não deu certo… Então ele colou o os dedos na minha buceta… Primeiro acariciou com um dedo, depois com dois… socou três dedos… Estava superquente e molhada!!! Um quarto dedo acariciava o grelho… Eu apertava seus dedos com os músculos da buceta… Cada vez que ele brincava com os dedos dentro dela, mais ensopados vinham; eles grudavam de tão melados!!! Ele chupava aqueles dedos, me fazendo figa… esfregava-os nos meus lábios, mas não me deixava experimentar. Meu quadril ganhou vida, eu rebolava e passava a xana contra o banco, aumentando aquela sensação gostosa… Ele aumentava meu tesão passando as mãos e beijando meus peitos; deslizando as mãos pelos flancos e cintura. ERA MUITO TESÃO!!! UMA DELICIA!!!
Eu não conseguia mais… não parava de gemer…  “Psiiiiu! Psiiiiu! Silêêênnncio!!!
Ele desceu a poltrona e colocou-me sentada sobre ele… de costas….  A primeira coisa que fez foi afastar meus cabelos para um dos lados; expôs a nunca e pescoço; beijou bem de levinho; passou a pontinha da língua; puxou-me o rosto e deu-me outro beijo. Depois dessa sequencia de preliminares, eu estava mais do que molhada e fácil; queria ele dentro mim.
Ele agarrou-me forte pela cintura e quadril… empinei o rabo… sentei no seu pau… ele terminou de encasar, segurando-me pela bunda, fazendo-me subir e descer na sua pica… Eu mexia gostoso, com movimentos fortes… A cada descida eu engolia seu pau; apertava e rebolava, sentindo-o inteiro dentro de mim… Ele gostou de senti-la também; suava e gemia… Agitou os movimentos, mais intensos, rápidos e fortes… Gozei de tremer, melar nós dois e o banco; corpo mole… Eu contive aquela agitação e pedi para que não gozasse ainda… que segurasse, pois eu queria gozar mais e primeiro…
Ofegante, coração acelerado, suada… Tirei seu pau da minha buceta, e coloquei no meu cu… Ele estremeceu, ficou surpreso, adorou!!! Encaixei ele bem certinho, todo dentro do cu… o pau ficou mais duro ainda… AI, AI, AI, AMEI PAPAI!!!
Uma das mãos permanecia em minha cintura, segurando, firmando e mantendo a posição; a outra mão vadiava em minha xaninha. Mexi, mexi, mexi… até que seu pau ficou bem ajeitadinho no meu cu… Ajustadinho comecei a socar… empurrava a bunda bem forte, engolindo seu pau, todinho, para dentro do cu… Rebolava, subia e descia cada vez mais forte; mexia para frente para traz, encostando meu grelho no seu pau. DELICIA!!! Ele gostou, cochichou em meu ouvido: “(…) deliciosa, safada, quero dar mais algumas bombadas, antes de gozar. Bucetinha molhada… Continua socando meu pau com esse seu cu quentinho… Mete! Mete! … Mete cachorra, gostosa (…)!!!
Não sei alguém percebeu o que se passara naquelas ultimas poltronas… Perdi a vontade de dormir durante a viajem… Fomos nos amassando, pegando e agarrando até o paradeiro do ônibus.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *