Categories
Uncategorized

Viagem de carro com a mãe do meu amigo

Viagem de carro com a mãe do meu amigo
Olá, vou vos contar uma história que aconteceu há cerca de 2 anos numa quinta-feira.
Então, eu estava numa cidade a cerca de 20 km da terra onde eu moro, cidade que eu ia quase todos os dias da semana. Nesses dias e apanhava o autocarro para casa, mas nessa quinta-feira não cheguei a horas e perdi-o. O problema é que esse era o último autocarro, ou seja, já não havia mais nenhum. A minha primeira reação foi ligar à minha mãe, que estava em casa de férias e perguntei-lhe se ela conhecia alguém que fosse da cidade até à zona da nossa casa. Logo de inicio ela disse que não, mas depois de pensar um bocado, lembrou-se que uma amiga dela que mora a cerca de 7km da nossa casa trabalhava na cidade e saía do trabalho àquela hora, por coincidência ela era mãe de um amigo meu. Eu conheço a Rita ( nome fictício) desde que nasci, e devido ao seu filho já fui dormir a casa dela umas 30 vezes e eu e a minha mãe costumávamos ir jantar à casa dela e ela à nossa, por isso eu tinha confiança com ela. A Rita é uma mulher muito muito gostosa, nessa altura era divorciada à 5 anos e desde então nunca esteve com mais ninguém, por isso devia estar louca por sexo. Tinha na altura 41 anos, 1,70m e cerca de 70Kg, um rabo grande e um par de mamas lindooo, é morena de cabelo castanho claro. Eu apercebi-me que ela era gostosa no Verão desse ano, quando eu fui à praia com ela e os seus dois filhos, o João e o André ( nomes fictícios).

Então a minha mãe deu-me o número dela para eu lhe pedir boleia e assim foi. Ela disse que demorava 5 minutos até onde eu estava.

Passados um bocado ela chegou no seu BMW. Eu entrei e dei-lhe dois beijinhos como sempre.
Com aquela confusão de ter perdido o autocarro e de arranjar boleia, eu nem me apercebi que esta aflito com vontade de mijar e cagar, só me apercebi depois de estar dentro do carro com ela, mas tentei aguentar. Começamos a falar sobre diversos assuntos e quando íamos a meio caminho, já não aguentava mais e disse:
— Rita, podes para o carro quando puderes, é que eu tou aflito para ir à casa de banho e não aguento mais.
e ela disse:
— Não há problema, até porque eu também tou aflita com xixi.

Então parámos numa reta, só que havia um problema, em nenhum dos lados da estrada havia árvores nem arbustos, era só terra e as pessoas que passavam de carro e de bicicleta iam me ver despido. Eu disse isso à Rita e ela disse:
— Pois… Então já sei, eu meto o carro numa posição de maneira a quem vem de trás não consiga ver e tu abres a porta e fazes atrás dela.
E eu respondi:
— Está bem.
Fiquei com um bocadinho de vergonha, mas afinal eu sempre quis ter algo mais intimo com a Rita, por isso tinha que mostrar à vontade em coisas do género.
Então, eu abri a porta, baixei-me atrás da porta, baixei as calças. Como o carro era baixinho, a Rita conseguia ver tudo. Assim que eu comecei o serviço, a Rita saiu do carro e fez como eu mas atrás de mim, eu fiquei nervoso mas continuei. Rapidamente acabei e perguntei-lhe se tinha lenços e ela respondeu que sim, e deu me os lenços que tinha no bolso das calças.
Eu decidi arriscar tudo e disse:
— Eu não consigo me limpar sem as pessoas me verem, porque preciso de me levantar.
( era mentira, mas eu tinha que arriscar)
E ela respondeu:
— Ah pois é! Então dá cá os lenços que eu limpo.
Como ela estava atrás de mim conseguia limpar com facilidade, e limpou. Quando ela acabou de limpar , eu vesti-me, lenvantei-me e olhei para ela com um sorriso. Quando olhei para ela, ela ainda estava com as calças em baixo o que deu para ver aquela cona linda e com os joelhos contra as mamas, o que as fazia quase sair para fora da blusa com decote e ela estava a estimular a cona e disse:
— Queres me ajudar?
E eu respondi:
— Qu-que-quero, m-m-mas aqui em frente a to-to-toda a gente?
— Tens razão! Vamos de carro até minha casa, tu ligas à tua mãe a dizer que vais ter com o João e com o André que eu depois te vou levar a casa. – disse ela.
e eu respondi:
— Então, mas como é que eute vou ajudar, com o João e o André em casa?
E ela respondeu a rir-se:
— Ahahaha, seu tonto, eles têm treino esta noite, então eu deixei-os na casa do pai deles e ele depois vem traze-los ás 10 da noite.
Então eu liguei á minha mãe e ele concordou e não estranhou porque eu ir a casa do João e do André era habitual.
Durante a viagem até à casa da Rita ela ia-me batendo uma punheta, como o carro dela era com mudanças automáticas ela ficava com uma mão livre, e eu ia com a mão dentro das calças dela a acariciar-lhe a xana.

Quando chegamos a casa dela fudemos durante 20 minutos dentro do carro que já estava na garagem,depois lanchamos todos nus, fomos para o quarto dela, fudemos durante 1 hora, eu vim-me 2 vezes e ela 3 vezes, a ultima eu vim-me na cara e nas mamas dela, então depois fomos tomar banho e ela fez me um broche, e ainda lhe fui ao cu 2 vezes.
No final concordamos em não contar a ninguém. Até hoje já fodemos mais 4 ou 5 vezes, 2 ou 3 vezes destas 5 têm histórias para contar, talvez das melhores histórias sexuais quetenho. SE quiserem que eu conte, deixem nos comentários.
Espero que tenham gostado tanto como eu gostei.
Obrigado e boas fodas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *