Categories
Uncategorized

O Banho Dourado

O Banho Dourado
Era um domingo, inicio do dia, não era um domingo comum, aquele dia, era o grande dia, estava combinado de ir a uma casa de swing com meu vizinho, praticar o bom bdsm, no começo da manhã, já damos inicio ao que viria de tarde, meu vizinho a qual tomou a chave da minha casa, entra e me chama, eu vou ver o que é, ele diz que tem algo importante que eu não devo tirar até que ele mande, eu já imaginava o que era, ele tira, uma coleira, com meu nome. Ele pergunta se eu aceito, eu me ajoelho a sua frente e digo que sempre fui sua e que a partir de agora serei mais ainda.

Ele prontamente coloca a coleira em mim, me sinto excitada, ele então rasga a minha camisola e manda eu ir fazer o café da manhã, então eu fui, fiz o café, arrumei a mesa e o chamei, quando eu ia sentar ao seu lado, ele me puxou pelo braço e disse “cachorras ficam no chão” Ele jogou um pedaço de bolacha no chão, atras de mim, mandou eu me virar e comer com a bunda pra cima e então, meu cu ficou todo exposto pra ele que logo passou a mão, dizendo “Hoje ele será muito bem utilizado”. E então ele pegou um copo, achei que ele ia me dar café, mas o que ele fez foi me introduzir a uma nova experiência, ele urinou no copo e disse que aquele xixi, era meu café da manhã, a minha primeira reação foi sentir nojo, mas eu sabia que aquilo estaria suculento, ele então me entregou o copo e mandou eu beber tudo. Exitei só por um pequeno momento, mas comecei a beber, tinha um gosto bem azedo, ácido porém era bem quentinho e logo fui gostando daquele paladar, pedi mais ao fim do primeiro copo e então ele disse “agora que você bebeu o copo, só vai beber direto da garrafa” botou seu pinto em minha boca e começou a urinar, um grande jato e muito muito xixi entrando na minha boca, eu engolia o mais rápido que conseguia mas era muito xixi e então começou a cair no chão da minha sala, o xixi do meu vizinho sujava o chão da minha sala porque a minha boca não aguentou bebe-lo. Ao fim, ele perguntou se eu não iria limpar o chão, eu disse que sim e antes que eu pudesse pensar, ele pegou minha cabeça e arrastou meu rosto no chão, mandando eu lamber aquilo tudo, cada lambida que eu dava, eu levava um tapa bem forte na bunda e a cada vez que isso acontecia, eu sentia vontade de fazer tudo de novo. Ele então me disse que, aquilo era só uma prévia do que iria acontecer, pois já havia combinado como seria a sessão, ele me disse que a sessão seria, de puro xixi, puro mijo, não seriam um nem dois, seriam vários.

Fui tomar banho, limpei a minha coleira sem tira-la de mim e então fui descansar, sabia que a tarde seria muito tensa. Quando o relógio bate as 14h, meu vizinho, agora meu dono, entra em minha casa, no meu quarto, enquanto eu estou deitada descansando, ele aperta minha bunda, puxa os pentelhos da minha xereca e diz “Vamos Cláudia, é a hora de você trabalhar bastante, como nunca trabalhou” sim, estou indo para um trabalho numa casa de swing, eu fui vendida. Me visto, ele manda colocar apenas uma saia e uma blusa, entro no carro e vamos em direção ao nosso destino, onde ele iria me entregar, estou bastante nervosa mas muito ansiosa também. Ao chegarmos no local, ele prenda uma corda na coleira, manda eu sair do carro e esperar, ele sair, ele da a volta, levanta minha saia, prende ela, rasga minha blusa e começa a me levar pra dentro do salão, todos todos ali estão me vendo, todos comentando de mim, todos agradecendo que finalmente uma xereca cabeluda estava entrando ali, sinto umas mão acariciando os pelos da minha xereca, ele termina registrar os pertences na ficha, me puxa pela coleira de novo e me leva a um quarto, tinham 8 homens, todos prontos para o maior banho dourado que aquele lugar já teve, meu dono rasga minha saia fora, me acomoda numa banheira e então, os 9 com seus pintos virados pra mim começam a fazer xixi em cima de mim, tento beber o máximo possível mas xixi nos olhos arde muito a banheira vai se enchendo de xixi e eles não param após 2 minutos de pura chuva, vem o “próximo” desafio, limpar aquela banheira, com a língua. É claro, de quatro, enquanto eu vou bebendo o xixi da banheira, eles vão fodendo meu cu, fodendo minha xereca, me chicoteando na bunda e eu não posso levantar a cabeça, apenas beber todo aquele xixi e aceitar todo aquele prazer atrás de mim, pois foi uma ordem do meu dono!

*Baseado em uma história real.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *